Gestalt-Terapia

Idioma: Português | Espanhol

“O processo terapêutico consiste em passar da necessidade de apoiar-se em outro para a capacidade de apoiar-se a si mesmo”. Assim Fritz Pearls, criador da Gestalt-Terapia, definia os caminhos de sua abordagem.

Apresentada ao mundo oficialmente em 1951, a Gestalt-Terapia trazia uma nova proposta terapêutica, tendo como suas raízes a Psicanálise, a Análise Reichiana e outras influências, como o Holismo, o Teatro Vivo e o Expressionismo. Apresenta uma visão do Ser que contempla suas perspectivas conscientes e inconscientes, a importância do corpo como sede de nossas energias, a perspectiva global do ser humano, ressaltando a necessidade de ver o todo para se compreender as partes e o valor da expressividade no processo pessoal, a vivência e a ação em detrimento à pura análise, a intuição e a experiência imediata como caminhos mais férteis para o entendimento da realidade do que o racionalismo e o pensamento científico.

Desde sua origem a Gestalt terapia se focou na autorrealização e busca da autonomia do “eu”. Acreditava, e ainda assim o é, que pelas feridas que trazemos de nossas infâncias, crescemos como seres fragmentados. Desde muito novos aprendemos quais partes de nossa personalidade são aceitas e quais não, o que reconhecemos e expomos de nós mesmos e o que ocultamos e relegamos aos porões da consciência — a criança que aprendeu que quando se mostrava alegre recebia mais amor de sua mãe, ou que se expunha sua raiva era recriminada. Assim também construímos os personagens que interpretamos em nossas vidas, um papel rígido e binário: Sou bom, não sou mal, sou forte, não sou fraco, sou calmo, não sou bravo. Porém, ao fixarmos nossa forma de atuar, ignoramos a fluidez e mobilidade da vida e, muitas vezes, perdemos de vista o que somos em nossa essência, nosso potencial autêntico e nossa capacidade adaptativa de transitarmos por diversos papéis na dança do viver.

Além disso, manter-se em um papel rígido e ocultar a todo custo a nossa face não integrada exige grande energia e esforço. Energia para não ver, energia para não sentir, energia para esconder, para não expressar. E é justamente aí também que a Gestalt-Terapia busca atuar, liberando essa energia desviada para os bloqueios, para a rigidez e ocultamento do Ser. A liberdade de ser é, assim, a liberdade de vivermos na plenitude de nossas potencialidades, espontaneidade e energia vital. Essa liberdade também se ampara no conceito de Homeostase: a capacidade natural de nosso organismo de se equilibrar e harmonizar com as necessidades e demandas do meio em que estamos inseridos. Libertar-se é, também, recuperar nossa capacidade de auto-regulação.

Posteriormente, a Gestalt-terapia seguiu desenvolvendo-se e integrando outros elementos ligados às vivências de Pearls e de seus discípulos que deram sequência à sua escola. Em especial, cabe apontar aqui os caminhos dados à Gestalt-terapia por Claudio Naranjo, Psiquiatra Chileno, discípulo de Pearls e mestre em diversas escolas espirituais. Claudio agregou à Gestalt-terapia suas vivências com o sufismo, a meditação, o zen-budismo e o budismo tibetano e, especialmente, a psicologia dos eneatipos — O Eneagrama da Personalidade.

A Gestalt de Claudio Naranjo seguiu, dessa forma, com a tradição integrativa de suas origens, abarcando e integrando novos saberes como um organismo vivo que assimila o mundo à sua volta, ficando assim conhecida como Gestalt Viva.

A Gestalt Viva serve-se, assim, de diversas técnicas em sua abordagem terapêutica, propiciando vivencias transformadoras para aqueles que a buscam como caminho de trabalho pessoal. Embora também seja uma abordagem aplicada ao atendimento individual, ela reconhece a força dos trabalhos grupais, sendo este um de seus principais enfoques.

Para saber mais sobre essa abordagem, pelo espírito vivencial que ela mesma propaga, o caminho deve ser a experimentação! E não poderia ser outro, pois ainda que nosso intelecto nos possibilite algum grau de entendimento, somente a vivência pode trazer a verdadeira compreensão. Conhecer a fundo a Gestalt Viva é, necessariamente, conhecer a fundo a si mesmo.

Quem Somos

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *