O Sistema Familiar

Idioma: Português | Espanhol

Se há uma verdade que une a todos nós, seres humanos, é o fato de sermos filhos. Filhos de nossos pais, e esses também, filhos de nossos avós e assim até as origens mais antigas da humanidade e da própria história da vida neste mundo.

Embora possa parecer uma constatação óbvia, na realidade este fato é profundamente representativo em nossas vidas, a todo momento. Somos filhos, e isso significa que nascemos dentro de um sistema familiar. Pais, mães, tios, irmãos, avós, todos parte desse mesmo sistema que chamamos família. Como sistema, as famílias carregam os códigos que regem as relações, as regras de conduta, crenças, valores e visões de mundo. Fazer parte de um sistema significa estar imerso nesse universo compartilhado.

Além disso, é no núcleo de nosso sistema, em nossas primeiras relações de afeto, que adquirimos as impressões iniciais sobre a vida e o viver. Nessas impressões, desde a gestação e, especialmente, em nossos primeiros meses e anos de vida, já formamos importantes registros que posteriormente farão parte de nossa personalidade: Sou amado, posso descansar, há prazer no viver? Ou é o mundo um lugar perigoso, devo me defender, lutar pelo meu espaço? Essas e outras perguntas, ainda que possam nunca terem sido feitas, um dia foram respondidas pelos acontecimentos de nossa infância. Assim também, a partir da forma como nossos pais se relacionam conosco, vamos aprendendo a nos relacionar com o mundo. A esses importantes laços afetivos com os pais, chamamos de vínculos primários, posteriormente reproduzidos em nossas outras relações. Esse modo de lidar com os afetos, por sua vez, também foi aprendido por nossos pais, em suas próprias relações familiares e, assim, seguindo toda nossa cadeia hereditária.

A relação com irmãos também compõe um grande aprendizado: como relacionamos com nossos pares, nossos iguais, como é a partilha da vida? Todas essas impressões vão, aos poucos, compondo nossa história, formando os alicerces de nosso caráter.

Além disso, os sistemas familiares são mais do que a soma dos indivíduos, sendo uma unidade em si, com uma lógica própria de funcionamento. Podem ser abertos ao novo ou fechados, rígidos ou flexíveis, operando, via de regra, na busca pela própria manutenção. Do sistema, todos fazem parte, mesmo os mais afastados, mesmo os excluídos, sendo essas também formas de relação, cada qual parte dos papéis desempenhados pelos membros do sistema para a sua preservação e equilíbrio. As leis que regem os sistemas familiares são também conhecidas como leis sistêmicas e atravessam a todos os seus integrantes.

Quando um casal se forma, assim, não se trata somente do encontro de duas pessoas, mas sim o encontro de dois sistemas, de duas histórias, com todas as suas leis, regras, normas de conduta e modelos aprendidos de vínculo. Se a relação se estabelece em algum nível de equilíbrio, outro sistema pode se formar, ainda carregando as raízes de seus sistemas de origem.

Muitas das dificuldades enfrentadas por casais podem se dar neste campo do conflito entre sistemas. Regras incorporadas que parecem incompatíveis entre o casal, formas de se relacionar que geram sofrimento, ou mesmo lealdades invisíveis: um homem que não consegue se firmar em uma relação por lealdade à mãe que ainda muito nova tornou-se viúva, uma mulher que não se entrega ao amor por lealdade à mãe, que muito sofreu na mão de outros homens, um pai que não consegue se sentir bem com a paternidade por lealdade ao pai, para o qual jurou sempre ser pequeno, e todo um leque de possibilidades que surgem na vida conjugal.

Para a visão sistêmica, dessa forma, quando estamos em contato com um sujeito, um casal ou uma família que busca a psicoterapia, sempre nos relacionamos com o sistema. Observamos as leis que imperam, os mitos familiares, as crenças, acordos subliminares e seus impactos nas relações estabelecidas entre seus membros. Ao longo do trabalho, que pode ser em família, casal ou mesmo individual, vamos construindo uma visão mais clara sobre essas forças que regem a forma de se relacionar, sobre os papéis desempenhados e suas consequências, trazendo a possibilidade de transformação.

Ter consciência das forças sistêmicas que carregamos em nossas vidas é, assim, um caminho fértil para o trabalho pessoal, para a consciência de si e para a transformação no sentido de uma vida mais autêntica, em harmonia com nosso potencial para a auto realização.

Quem somos

📸 Laura Fuhrman

1 thought on “O Sistema Familiar

  • Nossa familia nos fortalece e nos apoia quando conhecemos e nos rendemos as leis ou ordens que regem nosso sistema familiar. Ela nos enfraquece quando essas mesmas ordens sao desconhecidas ou desrespeitadas, gerando toda sorte de emaranhamentos ou desequilibrios familiares. Fazer a sua Constelacao Familiar significa trazer forca e equilibrio para voce e para todo o seu sistema familiar.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *