Psicoterapia Corporal: A Core Energetics e o papel do corpo no processo terapêutico

Idioma: Português| Espanhol

Desde as origens da Psicologia, a comunidade científica e acadêmica tem utilizado majoritariamente modelos puramente racionais na busca por respostas aos fenômenos do mundo psicológico. As ideias de René Descartes, filósofo francês e autor da famosa frase: “Penso logo existo”, marcaram o desenvolvimento da ciência moderna e apontaram a Razão como único caminho possível na busca da verdade. Este é um dos fundamentos sobre o qual se embasaram muitas das nossas ideias psicológicas de hoje, que, além de concederem nobreza à nossa racionalidade e aos pensamentos, relegaram ao corpo, e outras instâncias da consciência humana, um lugar de menor relevância. Com o passar do tempo, essa concepção foi se transformando e a relação essencial entre o corpo e as demais dimensões de nossa vida foi ganhando sua devida importância.

Que os pensamentos e as emoções podem gerar alterações no corpo, todos nós já sabemos desde nossa vivência cotidiana. Para ilustrar um pouco melhor essa ideia, cabe mencionar como é comum que pessoas que sofrem de transtornos de ansiedade busquem primeiro a um médico cardiologista, pela forma como se apresentam os seus sintomas no corpo: palpitações, sudorese, falta de ar e outros sinais que levam muitos a acreditarem estar sofrendo um infarto.

O caminho contrário, embora menos explorado pela ciência, não é menos verdadeiro: intervenções corporais, como movimentos, respiração, dentre outras técnicas, também produzem respostas em nossa dimensão mental e emocional. Como exemplo, podemos ver os resultados de práticas como a Yoga para o bem-estar e o crescente estudo de técnicas de respiração para o tratamento de diversos transtornos psicológicos.

Assim, a relação corpo-pensamentos-emoções pode ser cada vez mais facilmente observada em nosso dia a dia, e, essencialmente, essa separação deve ser considerada meramente didática, já que somos uma unidade, um só organismo.

No campo da psicologia, o primeiro ocidental a se interessar pelo papel do corpo nos processos emocionais foi o austríaco Wilhelm Reich, psicanalista controverso, discípulo de Freud, de quem se separou quando começou a aprofundar seus estudos sobre o corpo em sua relação com o caráter. A partir de suas investigações, Reich desenvolveu sua própria teoria (que continuou em evolução) sobre a Análise do Caráter, centrada no ser humano como unidade, definida como um sistema Psique-Soma, afirmando sermos tanto mente-psique, como corpo-soma, e que todo processo que ocorre em uma das instâncias afeta à outra. Com isso, surge na psicologia ocidental o primeiro ramo de trabalho terapêutico orientado ao corpo.

Posteriormente, John Pierrakos e Alexander Lowen, discípulos de Reich, deram sequência a seus estudos e desenvolveram a Bioenergética, um conjunto de técnicas e exercícios corporais para o desbloqueio energético.

Durante a década de 40, Pierrakos, juntamente com sua esposa, Eva Broch, aprofundou-se em seu trabalho, desviando sua ênfase da análise das defesas para o cultivo do ser criativo e espiritual (o núcleo ou Core em inglês), criando sua própria abordagem: a Core Energetics.

Essa mudança de enfoque também é a principal diferença entre a Core e outras perspectivas psicológicas que abordam o crescimento pessoal: enquanto muitos outros ramos da psicologia estão centrados nas partes enfermas do ser, na Core Energetics o terapeuta se relaciona com o núcleo saudável do cliente, não com sua patologia.

Na prática clínica, conduzimos o paciente por um processo de autoconhecimento, de abordagem vivencial, envolvendo experiências corporais através do movimento, respiração, vocalização e diversas outras técnicas que buscam restaurar o fluxo natural da energia no sistema.

Este enfoque holístico atua tanto sobre os processos involuntários e inconscientes, quanto sobre os aspectos voluntários e conscientes. Como já mencionamos, nossas defesas, sistemas de crenças, padrões de conduta e respostas emocionais não são apenas fenômenos psicológicos, senão também somáticos e fortemente ancorados no corpo.

Assim, o propósito da Core Energetics é integrar consciente e inconsciente, desvelar padrões de defesas físicas e emocionais e trabalhar com eles. À medida em que a energia direcionada às defesas se libera e volta a recorrer o corpo, se abrem os centros energéticos, permitindo o fluir da consciência, ampliando nossa percepção de nós mesmos e do nosso entorno, trazendo-nos mais presença e disponibilidade para a vida. Trata-se, assim, de liberar a energia vital retida em nosso sistema, para alcançar nossa autenticidade e poder pessoais, a essência do nosso ser, nossa criatividade e a liberdade de caminhar no mundo sendo quem realmente somos.

Assim como já dissemos em nosso artigo anterior sobre a Gestalt Terapia, para conhecer a Core Energetics em profundidade, te convidamos a experimentá-la em seu próprio trabalho pessoal. Até agora, lendo este artigo, só é possível obter um entendimento deste enfoque desde um nível mental — a verdadeira compreensão somente seu corpo poderá te ensinar.

“A verdade está em nosso corpo, a verdade de nossa história, a verdade de nossa alma”

John Pierrakos

Quem somos

1 thought on “Psicoterapia Corporal: A Core Energetics e o papel do corpo no processo terapêutico

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *